Frescor

A água da ducha morna escorria por todo o corpo de Britney. O frescor, porém, era interno. De olhos fechados, apreciava novamente a Melodia, que parecia mais harmônica do que antes.

Como é fácil de se perder…de confundir as coisas. Eu estava me sabotando totalmente e nem percebendo. Eu imaginava ter uma clareza que não passava de um medo. E me perdi no medo de me perder… Deus… como tudo isso é irônico.

Talvez seja a hora de parar de tentar entender as coisas. Talvez seja a hora de apenas viver. A melhor forma, afinal, de ser um canal do Divino, é apenas sê-lo. Sem se preocupar em como, por que, ou principalmente, DE QUE MANEIRA. Eu não posso me harmonizar se ignorar coisas em mim. Principalmente o que sinto. Principalmente algo tão sagrado como o Amor.

O Barulho de passos a traz de volta dos pensamentos.

- Você esqueceu a toalha Britney! – E Ranmaru a deixa em cima da pia. Mesmo pelo embaçado vidro, ela via o sorriso sincero e puro dele, e responde com outro, sem se importar se ele está vendo ou não.

- Obrigada Ran! Já tou terminando aqui.

E enquanto Ranmaru sai, as dúvidas tentam invadi-la mais uma vez. Estava fazendo o certo? Iria se feria mais uma vez com algo que poderia terminar? Não seria tudo isso um engano?

Porém ela apenas levanta os braços, se alongando, e lembrando de um ensinamento de um poema que certa vez ouvira:

“E não penseis que podeis guiar o curso do Amor; porque o Amor, se vos escolher,marcará ele o vosso curso. O Amor não tem outro desejo senão consumar-se.”. Nunca isso fez TANTO sentido quanto agora. Nada, nem eu, e nem nenhuma dúvida vai atrapalhar essa Manifestação tão pura e sagrada e vai atrapalhar minha felicidade.

Britney sai do box, totalmente revigorada, em todos os aspectos. Ri pensando no fato de que, de todas suas experiências nas quais teve insights reveladores, esta é a primeira em que não sofreu ou passou por algum apuro. E que de longe estava sendo a mais feliz delas.

No quarto, Ranmaru estava já deitado, não dormindo, mas ao que parece no famigerado estado pré sono, onde não sabemos se estamos sonhando ou acordados. Britney deita-se ao lado dele encostando a cabeça em seu ombro, o que o faz voltar de onde quer que esteja. Virando e dando um sorriso, ele levanta a mão para apagar a luz. Britney, porém, com um sorriso cúmplice, segura sua mão e a puxa de volta para a cama. Não era, ainda, hora das luzes se apagarem.

Frescor

Mago Sophuz